Mudar é preciso: Revisitando o conteúdo local para a indústria de óleo e gás

No decorrer da última década, as reservas do pré-sal brasileiro passaram a gerar volumes significativos e crescentes de produção de petróleo, atingindo, em abril de 2015, a marca de 800 mil barris de óleo equivalente por dia. O governo brasileiro, assim como outros países produtores de petróleo, buscou capitalizar essa oportunidade e incrementar as capacitações de sua indústria local de petróleo e gás. Os requisitos de conteúdo local foram estabelecidos, em grande parte, com base em metas mínimas e penalidades para empresas que não consigam atingi-las. No entanto, o país ainda conta com muitos recursos diferentes em toda a cadeia de fornecimento e, até agora, os esforços de conteúdo local tiveram resultados inconclusivos. Atrasos e falta de competitividade na cadeia de fornecimento local nos últimos anos, além da recente queda dos preços do petróleo, gerarão uma pressão adicional, especialmente devido ao forte investimento necessário para desenvolver a camada do pré-sal.

Neste contexto, frequentemente são apresentadas propostas com o objetivo de contribuir para a evolução e o aprimoramento da política de conteúdo local aplicada ao setor de óleo e gás no país. Como resultado desses fatores, acreditamos que agora é o momento para que todos os interessados na indústria de petróleo e gás do Brasil repensem sua abordagem do conteúdo local.

Mudar não é mais uma opção, é uma necessidade.